Pesquisa comprova que finasterida não causa câncer letal em pacientes

Pesquisa comprova que finasterida não causa câncer letal em pacientes

A polêmica com esse medicamento começou em 2003, quando uma importante mídia da área, “New England Journal of Medicine”, divulgou que o finasterida, usado nos tratamentos de pacientes com aumento de próstata e também para calvície em homens, levaria ao desenvolvimento de um tipo específico e letal de câncer masculino.

Na época, a droga apresentou resultados bastante relevantes. Após tratar um grupo de 18.882 homens, dos anos de 1993 a 1997, constatou a redução do câncer de próstata em 25% e o aumento de 68% das chances de ter um tumor de alta letalidade.

Diante desse efeito duplo e contraditório do medicamento e de um possível risco para a população, o FDA (Food And Drug Administration), responsável pela regulação dos medicamentos nos EUA, colocou um alerta no rótulo desse remédio.

Paralelamente, pesquisadores continuaram analisando a droga e cruzaram os resultados dos pacientes que receberam o finasterida com o número de óbitos em norte-americanos.

Resultados

Os resultados apresentados recentemente, em evento anual da Associação Americana de Urologia, comprovou que, tanto o grupo que foi tratado com a droga, quanto o grupo que tomou placebo, tiveram o mesmo tempo de vida.  

O responsável por esse novo estudo, o professor Thompson, da Universidade do Texas e coordenador das pesquisas em urologia, acompanhou os pacientes que tomaram a droga por mais de 18 anos e trouxe novidades sobre o assunto. Segundo o especialista, o remédio é um aliado na detecção do câncer de próstata, incluindo aqueles de maior grau.

Contudo, como todo medicamento, o finasterida continua oferecendo efeitos colaterais como dor nos testículos, crescimento significativo das mamas e até impotência. Alguns desses sintomas podem desaparecer depois da suspensão da medicação.

O câncer de próstata é que mais atinge os homens brasileiros. Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) prevêem 68.220 novos casos da doença para este ano. Em 2013 foram registrados 13.772 vítimas fatais.

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu