5 coisas que a IA pode mudar na medicina (e como isso vai afetar a sua vida)

5 coisas que a IA pode mudar na medicina (e como isso vai afetar a sua vida)

Se tem uma área que se beneficia com as tecnologias de ponta, é a medicina. Conceitos que, há poucas décadas, eram vistos apenas como “coisa de ficção científica”, vêm se tornando comuns em uma velocidade incrível!

É o caso da inteligência artificial (IA), que possibilita que máquinas aprendam com experiências, se ajustem a novas entradas de dados e realizem tarefas como seres humanos.

Os computadores podem ser treinados para cumprir funções específicas ao processar grandes quantidades de dados, reconhecendo padrões neles.

Com isso, as possibilidades de aplicação dessa tecnologia no campo da medicina são várias e impactantes, podendo mudar, em pouco tempo, a nossa relação com os serviços de saúde. Confira alguns exemplos:

 

1 – Consultas e triagens

É verdade que hoje em dia já é possível acessar prontuários digitais, via computadores. Mas, com a IA, os dados podem ser preenchidos em poucos segundos por biometria (reconhecimento de rosto e voz).

Além disso, por meio dela, os sistemas podem tomar decisões assertivas sobre quais perguntas fazer. Eu explico: em vez de seguir cegamente uma lista de verificação, esses sistemas de consulta digital ​​aprendem com milhões de arquivos de casos reais para fazer perguntas realmente relevantes para cada paciente.

Assim, os algoritmos médicos podem também determinar a gravidade do problema. Um exemplo: se você chegar ao hospital com falta de ar repentina pela primeira vez,  o computador irá considerar que você deve ser atendido antes de um asmático, já que, no caso dele, uma ocorrência do tipo é algo comum, menos urgente e mais recorrente. Entendeu?

 

2 – Radiologia e imagens

A radiologia é a forma de medicina que lida com imagens: raios-x e ultrassonografias, tomografias e ressonâncias magnéticas. É uma área que demanda bastante tempo e experiência dos profissionais, que precisam ​​analisar minuciosamente um grande volume de material.

Com a IA, por meio da visão computacional, os sistemas podem ser treinados para examinar radiografias ou outras digitalizações e aplicar uma técnica chamada deep learning (aprendizado profundo) para entender o que as imagens mostram. E, se tem uma coisa que a inteligência artificial sabe fazer bem, é ficar de olho em imagens para detectar padrões.

Como os resultados da detecção da IA ​​podem ser enviados para um médico, para que haja uma checagem final, essa solução já está em uso em alguns hospitais. O Centro Médico da Universidade de Rochester, em NY, por exemplo, usa essa tecnologia para ajudar a identificar e priorizar casos críticos.

Um sistema criado na França e na Alemanha já detecta câncer de pele com 95% de precisão. Já um sistema da DeepMind, do Google, é capaz de detectar com precisão superior a de médicos mais de 50 tipos de doenças dos olhos. O futuro já chegou!

 

3 – Medicina personalizada: diagnóstico mais rápido e preciso

Medicina personalizada é uma abordagem de cuidados de saúde em que os diagnósticos e tratamentos são altamente adaptados para atender a história pessoal e familiar do paciente, bem como seus fatores de risco específicos e genética.

À medida que mais e mais dados são coletados e analisados ​​pela IA, é fácil afirmar que a medicina personalizada se tornará um padrão, e não uma alternativa. Uma das aplicações da inteligência artificial nesse contexto se dá no estágio de diagnóstico: um sistema pode ser capaz de analisar o genoma de uma pessoa e determinar quais tratamentos podem ser ​​mais eficazes para cada caso.

 

4 – Robôs cirurgiões

Quem me acompanha já sabe que as soluções robóticas para cirurgias já existem há anos. Mas estamos falando aqui de robôs autônomos, que podem suturar pontos e remover tumores com extrema precisão e, consequentemente, menos danos aos tecidos circundantes. Além disso, muitos desses procedimentos robóticos podem ser realizados por laparoscopia, tornando a cura muito mais rápida e reduzindo o risco de infecção.

Mas esse é um nível totalmente elevado de uso da inteligência artificial. Sim, já existe e vários testes com robôs autônomos já foram realizados (com resultados bem sucedidos, inclusive). Mas o processo de aprovação desses cirurgiões robóticos é muito maior e mais complexo do que para as plataformas robóticas, que já nos ajudam tão brilhantemente.

Além do mais, nada, absolutamente nada, substitui o contato humano que o médico tem (e precisa ter!) com o paciente.

 

5 – Segurança cibernética

É fato que estes novos desenvolvimentos da IA ​​nos cuidados de saúde trarão imensos benefícios para médicos, hospitais e pacientes. Mas nem tudo são flores: eles também trazem novos riscos em termos de segurança. A diferença é que a própria inteligência artificial pode ajudar a fornecer saídas para isso.

Soluções avançadas podem usar machine learning (análise de dados que automatiza a construção de modelos analíticos) para entender o comportamento normal da rede e identificar e bloquear qualquer atividade anômala que possa indicar vulnerabilidade ou ataques.

Além dessa questão de segurança (que é muito, muito mais complexa do que o que eu expliquei aqui), ainda existem questões legais a serem consideradas para a implementação definitiva da IA em aplicações mais profundas.

Afinal, quem seria responsabilizado por um erro médico realizado por um robô/algoritmo? O hospital que comprou a máquina, o médico que sugeriu a compra, a indústria que a forneceu, ou os engenheiros que a projetaram?

Muita coisa ainda precisa ser estudada, discutida, viabilizada e definida. Mas, como eu disse, as mudanças estão acontecendo em uma velocidade impressionante. E, o que hoje parece coisa do futuro, amanhã já pode fazer parte da nossa rotina diária. Afinal, não foi assim com a cirurgia robótica?

O jeito é aguardar (e nos preparar para) o que o amanhã nos reserva!

Deixe uma resposta

Fechar Menu